29/07/2020 Atualizado há 4 mes(es)

Egresso da UNIGRAN realiza primeira cirurgia de tumor benigno em mandíbula com técnica de biópsia por congelação em Ijuí/RS

Cirurgião bucomaxilofacial Rafael Maia e Dr. Arlindo Aburad durante a realização do procedimento cirúrgico [Arquivo Pessoal]

Foi realizada na cidade de Ijuí/RS a primeira cirurgia de tumor benigno em mandíbula com o uso da técnica de biópsia por congelação, em ambiente ambulatorial. O procedimento foi feito em um adolescente pelos cirurgiões dentistas bucomaxilofacial do Hospital de Caridade de Ijuí, Rafael Maia, formado pela UNIGRAN em 2013, e pelo patologista Arlindo Aburad, doutor em Patologia pela Universidade de São Paulo – USP, que é pioneiro na técnica de biópsia por congelação em tumores de face no Brasil.

“Normalmente quando uma lesão é diagnosticada por meio do exame de imagem [raio-x ou tomografia computadorizada], realizamos a biópsia para saber o tipo de lesão, se é maligna, benigna, agressiva ou não. Esse resultado demora cerca de 10 dias para ficar pronto e o tratamento pode estender por meses. Com a técnica da biópsia por congelamento, o cirurgião tem a oportunidade de saber o diagnóstico imediato [no ato cirúrgico] e abordar a lesão de acordo com o diagnóstico do patologista. Isso promove mais conforto e resolutividade para paciente, que será acompanhado nos próximos anos para verificar se não ocorrerá recidiva da lesão”, explicou Maia.

A cirurgia foi feita em parceria com o Dr. Arlindo Aburad, que se deslocou de Cuiabá à Ijuí para fazer a análise anatomopatológica imediata. O procedimento aconteceu em consultório e foi utilizada a sedação do paciente por óxido nitroso. Toda a lesão foi removida e a análise anatomopatológica imediata foi realizada. Por fim, na lacuna óssea onde estava a lesão, foram instaladas membranas de L-PRF.

As membranas são feitas do próprio sangue do paciente e são ricas em células de defesa, o que reduz o risco de infecção pós-operatória. Além disso, as membranas potencializam o processo de formação óssea mandibular, que é o objetivo final do tratamento, além de salvar os dentes envolvidos.

Maia também destacou a formação obtida na UNIGRAN para sua carreira profissional. “Sou muito grato pela formação que tive, pois tive à disposição uma das melhores estruturas do país, além de um corpo docente altamente qualificado. O período de graduação sempre é desafiador, mas desde que ingressei no Ensino Superior eu sabia que queria me tornar cirurgião bucomaxilofacial. Se hoje consigo desenvolver minhas habilidades como cirurgião, certamente é porque tive um alicerce muito sólido na minha formação como cirurgião dentista e, por isso, tenho grande carinho e admiração por todos os professores do curso de Odontologia da UNIGRAN”, concluiu.

Maia cursou Odontologia com bolsa integral do ProUni e, após concluir a graduação, fez residência em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial no Hospital Geral Universitário, pela Universidade de Cuiabá/MT, que durou três anos.

ODONTOLOGIA
EGRESSOS