Comissão própria de avaliação (CPA)


O QUE É A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL?

Em 2004, a Lei 10.861, de 14 de abril de 2004, instituiu o SINAES ? Sistema de Avaliação da Educação Superior, com a finalidade de melhorar a qualidade da educação superior, a orientação da expansão da sua oferta, o aumento permanente da sua eficácia institucional e efetividade acadêmica e social e, especialmente, a promoção do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais das instituições de educação superior, por meio da valorização de sua missão pública, da promoção dos valores democráticos, do respeito à diferença e à diversidade, da afirmação da autonomia e da identidade institucional.

Para tanto, determinou que fosse assegurada nos termos do Art. 3º:

"A avaliação das instituições de educação superior terá por objetivo identificar o seu perfil e o significado de sua atuação, por meio de suas atividades, cursos, programas, projetos e setores, considerando as diferentes dimensões institucionais."

2) COMO A UNIGRAN ATENDEU A DETERMINAÇÃO LEGAL PARA REALIZAR A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ?

A UNIGRAN atendia a determinação antes que se tornasse obrigatória, pois iniciou os trabalhos de Avaliação Institucional em 1996. Entretanto, o Programa de Avaliação Institucional-PAI, implantado a partir do marco legal em 2003, nomeou uma Comissão, a partir da eleição dos respectivos segmentos, responsável pela condução dos processos de avaliação interna, pela sua sistematização e pela definição das estratégias de sua autoavaliação, considerando as características da instituição, seu porte e as experiências anteriores de avaliação.

O Programa de Avaliação Institucional da UNIGRAN vem obedecendo aos princípios estabelecidos de: ser um ato voluntário; ser global; atingir toda a atividade institucional; considerar especificidades de cada curso e área de conhecimento; distanciar-se dos processos punitivos ou de premiação; ser coerente com a política de diálogo franco e aberto.

3) O QUE É A COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA ?

A Comissão Própria de Avaliação - CPA é composta por representantes dos seguintes segmentos: corpo docente, corpo discente, corpo técnico administrativo e representantes da sociedade civil.

Os membros da CPA são responsáveis por conduzir os processos de avaliação interna, pela sua sistematização e pela definição das estratégias de autoavaliação, considerando as características da IES, seu porte e as experiências anteriores de avaliação, incluindo a autoavaliação, avaliação externa, avaliação dos docentes pelos alunos, avaliação da pós-graduação e outros.

4) SOBRE QUE PRINCÍPIOS ESTÃO PAUTADOS O PROGRAMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ?

  • responsabilidade social com a qualidade da educação superior;
  • reconhecimento da diversidade do sistema;
  • respeito à identidade, à missão e à história das instituições;
  • globalidade, isto é, compreensão de que a instituição deve ser avaliada a partir de um conjunto significativo de indicadores de qualidade, vistos em sua relação orgânica e não de forma isolada;
  • continuidade do processo avaliativo.

5) QUAIS OS SEGMENTOS QUE AVALIAM E SÃO AVALIADOS ?

ENSINO PRESENCIAL

AVALIAM A IES

  • Corpo docente
  • Corpo técnico administrativo
  • Corpo discente
  • Comunidade Externa
  • Egressos

AVALIAM OS PROFESSORES

  • Corpo discente

ENSINO À DISTÂNCIA

AVALIAM A IES

  • Corpo docente
  • Corpo discente
  • Tutores
  • Egressos

AVALIAM OS PROFESSORES

  • Corpo discente

6) COMO É REALIZADA A AUTOAVALIAÇÃO DA UNIGRAN ?

A autoavaliação é feita institucionalmente e por cursos e tem como objetivo geral avaliar a Instituição, segundo a opinião da comunidade acadêmica e da não acadêmica.

O processo de autoavaliação é realizado em cinco etapas:

a. A preparação/conscientização/sensibilização/informação

b. Planejamento e execução da autoavaliação

c. O diagnóstico como input

d. Divulgação dos resultados

e. Acompanhamento e implementação de ações

7) QUAIS SÃO OS OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA AUTOAVALIAÇÃO DA UNIGRAN ?

  • conhecer como se processam as inter-relações da comunidade acadêmica bem como as expectativas relacionadas à organização e funcionamento institucional;
  • questionar os sentidos do conjunto de atividades e finalidades cumpridas pela instituição;
  • identificar as causas dos seus problemas e deficiências;
  • aumentar a consciência pedagógica e a capacidade profissional do corpo docente e técnico-administrativo;
  • fortalecer as inter-relações entre os seguimentos que compõem o processo institucional, estimulando o ambiente de cooperação;
  • tornar mais efetiva a vinculação da instituição com a comunidade;
  • julgar a relevância científica e social de suas atividades;
  • propor e/ou implementar mudanças, se necessário for, das atividades acadêmicas vislumbrando adequá-las aos valores sociais;
  • reelaborar, se necessário, o Plano de Desenvolvimento Institucional, apontando os direcionamentos, envolvendo a administração central, docentes, discentes, visando maior e melhor integração da comunidade acadêmica.
  • Garantir a implementação de todas as medidas que cumpram os objetivos da avaliação institucional.

8) QUAL A RELAÇÃO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COM O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL ?

A articulação da CPA e do próprio processo de avaliação institucional é intrínseca ao PDI, pois este necessita do Processo de Avaliação como feedback que favorece o processo de correções e alinhamento de ações, direcionando e dando vida ao PDI em curso.

Durante todo o documento do PDI e, sobretudo nas ações e procedimentos elencados, a avaliação institucional está recorrentemente inscrita, cabendo à própria comissão a condução dos trabalhos. Destaca-se, nesse processo a atuação da Comissão, e no final dos cinco anos de vigência de cada PDI, está atrelada a realização dos trabalhos que darão origem à elaboração do próximo PDI, que configurará as metas e as estratégias para o quinquênio seguinte.

9) COMO SÃO DIVULGADOS OS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO ?

Os resultados advindos das avaliações institucionais internas e externas são divulgados ao corpo social em reuniões específicas de docentes. Com os discentes em encontros ou em sala de aula, sistema UNIGRAN com a utilização do mural oficial do Curso, local destinado a todas as publicações do curso e de acesso irrestrito aos Acadêmicos que por ventura não se fizeram presentes nas apresentações de resultado de forma que todos estejam cientes dos resultados de seu curso.

A reitoria, juntamente com a pró-reitoria de ensino e extensão reúne-se com cada coordenador de curso a fim de analisar seus resultados, potencialidades e fragilidades na função de coordenador. Também aproveita o momento para observar outros aspectos relacionados ao curso pelo qual é responsável.

Após o diálogo entre pró-reitoria e coordenações, os resultados das avaliações dos professores pelos acadêmicos, têm sido entregues a cada professor, resguardando sua privacidade e autonomia, momento em que o coordenador do curso analisa e discute com o docente os conceitos recebidos. Uma cópia da avaliação do professor é arquivada em uma pasta para ser comparada com a avaliação seguinte.

Quanto à avaliação dos professores empreendida pelos alunos, os resultados têm levado o coordenador do curso a discutir, em reuniões, com o corpo docente, a fim de aperfeiçoar a atuação, as metodologias e as atitudes do professor, assim como a avaliação do processo ensino-aprendizagem. Comenta-se, também, sobre o planejamento das atividades de ensino e o relacionamento com os alunos.

A reitoria, a direção e os coordenadores da UNIGRAN têm empreendido ações, no sentido de reverter, e/ou diminuir as fragilidades, de acordo com os resultados de cada curso e institucionalmente.

Em relação aos técnico-administrativos, também são realizados encontros com cada segmento, a fim de discutir os resultados obtidos. Tais momentos são reflexivos e revelam os pontos que necessitam de atenção. Para a melhoria da qualidade dos serviços prestados, sempre são atendidas as solicitações feitas pelos componentes desse grupo, além de cursos promovidos pelo setor de Recursos Humanos do curso de Administração.

Encontros, ainda, são realizados, com os funcionários de serviços gerais, cujo objetivo é apontar as alterações necessárias em relação à limpeza, à organização e ao bem-estar de toda a comunidade acadêmica. Ressaltam-se, também, os inúmeros pontos positivos encontrados, destacando-se o relacionamento entre os pares e demais setores.

10) QUAL A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NO PROCESSO DE AUTOAVALIAÇÃO ?

Os dados coletados nos instrumentos de avaliação subsidiam as ações institucionais e de cada curso, no sentido de corrigir as fragilidades e aperfeiçoar as potencialidades do processo de ensino-aprendizagem em todas as suas dimensões. Além disso, a autoavaliação representa um instrumento de exercício da cidadania no âmbito da Instituição de Ensino Superior.

Faça valer a sua voz!

Resultados

- Implantação, promoção e fomento às ações de atividades de extensão;

- Ampliação e revisão de videoaulas e guias de estudos;

- Otimização das ferramentas de Ambiente Virtual de Aprendizagem;

- Aprefeiçoamento dos meios de comunicação internos e externos;

- Fortalecimento da gestão de cursos com ênfase na proteção de dados pessoais e classificação documental;

- Aprimoramento dos órgãos colegiados dos cursos;

- Fomento a gestão transparente, participativa e democrática, através dos colegiados e fóruns de discussão;

- Ampliação da comunicação com egressos;

- Capacitação docente e corpo técnico-administrativos;

- Oferta de cursos em atendimento às demandas do mercado de trabalho;

- Incorporação de novas tecnologias como óculos 360º QUEST da META;

- Ampliação de convênios com entidades públicas e privadas;


- Fomento a participação dos cursos EAD em atividades presenciais;

- Realização de convênio com a biblioteca virtual MINHA BIBLIOTECA;

- Aperfeiçoamento do padrão estrutual dos polos parceiros;

- Capacitação aos tutores administrativos dos polos;

- Recepção especial aos calouros com participação efetiva de coordenadores e professores;

- Capacitação docente para elaboração de videoaulas, guias de estudos e utilização de ferramentas de aprendizagem;

- Atualização das matrizes curriculares de acordo com diretrizes curriculares e exigências do mercado de trabalho;

- Revisão e adequação do corpo docente à titularidade das disciplinas considerando experiência profissional e formação acadêmica;

- Aperfeiçoamento dos processos de gestão acadêmica;

- Incentivo ao desenvolvimento de atividades, Trabalhos de Conclusão de Curso, projetos e avaliações que levem à reflexão de temas regionais, Direitos Humanos, diversidade, étnico-raciais e meio ambiente;

- Atualização e ampliação do processo de sensibilização e devolutiva de resultados da CPA;

- Ampliação dos serviços acadêmicos na plataforma UNIGRAN EAD;

- Ampliar a prática de reuniões de trabalho e eventos por meios virtuais;

- Fortalecimento e ampliação do programa de Nivelamento Institucional;

- Ampliação do espaço físico para os departamentos de produção de material didático;

- Criação de espaço de convivência para os colaboradores na IES;

Membros

Hilluska Carneiro
Representante docente e Presidente.


Joe Graeff Filho
Representante docente.


Nilse Marli Scheuer Cândido
Corpo Técnico Administrativo.


Rafael de Arruda
Corpo Técnico Administrativo.


Ronaldo Junior Castro Chaves
Corpo discente.


Phelipe Finger Sanches
Corpo discente.


Eli Semmelroth
(Diretora do Buffet Luzzly)
Representante da sociedade civil organizada.


Ahamad Hassab Gebara
(Conselheiro do CREA/MS.)
Representante da sociedade civil organizada.


Nilse Marli Scheuer Cândido
(67) 3011-4104
cpa@unigran.br
Rua Balbina de Matos, 2121
Jd. Universitário - Dourados/MS
UNIGRAN - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA GRANDE DOURADOS - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS