UNIGRAN aborda a psicodinâmica do trabalho na Semana de Enfermagem.

Psicólogo Adalberto Vital disse que cooperação e reconhecimento são as maiores fontes de realização no trabalho, sábado, ao término do evento.
Para os teóricos da Psicodinâmica do Trabalho, o trabalho tanto pode conduzir à saúde, quanto à doença. O enfermeiro está no limiar desse dilema, por conta do confronto diário com o sofrimento dos pacientes. Por isso, a Coordenação de Enfermagem da UNIGRAN deu destaque a essa questão na palestra final da Semana Acadêmica “Sistematização da Assistência de Enfermagem”, no sábado (10). O seminário teve como convidado o psicólogo Adalberto Vital dos Santos Júnior, especialista e mestrando em Psicologia Social (UnB). Tratando da saúde profissional do trabalhador, o Adalberto dos Santos falou sobre os conceitos de trabalho e organização do trabalho, segundo as concepções de sofrimento e prazer vivenciados pelo trabalhador, no dia-a-dia de sua profissão. Ele explicou que o trabalho deve ser entendido como realização social – pois é coletivo e requer reconhecimento – e que existem diferenças entre as tarefas prescritas e a realização delas. De acordo com a Psicodinâmica do Trabalho, a execução de uma tarefa é em si mais complexa do que a idéia que se tem dela, e implica ainda na aprovação dos pares, da chefia e dos clientes. “A discrepância entre a tarefa prescrita e a tarefa real traz angústia, medo e insegurança (...) entre o trabalhador e o real, existem a ação, a técnica, o seu fazer; entre o real e o outro, existe a eficácia e o julgamento, e o prazer no trabalho é ter orgulho com o que se faz”, disse Santos Júnior. Ele falou que na busca pelo prazer, o trabalhador adota diversas estratégias para realizar as tarefas, com os objetivos de compensar imprevistos e gastos maiores de energia, por exemplo. Por sua vez, o cumprimento delas traz prazer e sentimentos positivos para sua auto-estima. As organizações, em geral, sabem que a dinâmica “sofrimento/prazer” induz o trabalhador a se superar mais e mais na realização de seu trabalho, e se aproveitam desse conhecimento. Contudo, as cobranças cada vez maiores por desempenho criam ambientes em que o sofrimento se torna persistente e vira doença psíquica, física ou social. È o que nesta visão se chama de “enigma da normalidade”, situação em que os pesquisadores identificam que, mesmo em condições precárias de trabalho, as pessoas continuam produtivas, mas, sem saber, estão adoecendo. Sintomas desse processo são identificados na fala de entrevistados, que indicam racionalização, com crenças do ID_TIPO “isso é assim mesmo”, negação da situação, por parte do trabalhador, ou por redução da sua importância, como a piadas que os trabalhadores fazem da própria condição. O palestrante citou pesquisa com exemplos assim, feita entre enfermeiros do Hospital de Base de Brasília, e disse que a cooperação é fundamental para se evitar patologias e melDATA_HORAr a qualidade de vida no trabalho. “Cooperar pressupõe valorizar e conhecer a marca pessoal do esforço de cada um na realização do trabalho; sem cooperação, a gente bota nossa saúde mental em risco, há isolamento, há sofrimento individual; o processo de cooperação é que facilita a superação da resistência do real, logo, facilita a ressignificação do sofrimento, condição indispensável para garantir a saúde do trabalhador”, afirmou o psicólogo. Semana Acadêmica A IV Semana de Enfermagem da UNIGRAN foi centrada no tema “Sistematização da Assistência de Enfermagem”. Os participantes elogiaram o evento e destacaram a importância das oficinas e palestras oferecidas. “Eu avalio da melhor forma possível, pelo fato de ser uma oportunidade de a gente estar tomando uma diretriz em relação àquilo que a enfermagem pode oferecer na carreira”, disse o acadêmico Marcos Magalhães da Silva. Já Stefânia Rodrigues, 7º semestre, que participou de todas as semanas anteriores, ressaltou que os eventos enriquecem a formação e são oportunidades de os acadêmicos mostrarem suas produções. “[A semana] motiva mais os alunos, porque acaba sendo uma oportunidade de apresentar trabalhos, acaba trazendo assuntos diferentes e se tem a oportunidade de aprender algo a mais”, falou a estudante. A Semana foi encerrada com apresentação de trabalhos acadêmicos de alunos da própria UNIGRAN e de outras instituições do sul do Estado, e com show dos músicos Kleber e Kleberson. (JR)

UNIGRAN - Centro Universitário da Grande Dourados
FONE: (67) 3411-4141 / Fax: (67) 3411-4167
Rua Balbina de Matos, 2121 - Jd. Universitário
CEP: 79.824-900 - Dourados/MS
Todos os Direitos Reservados

Baixe os apps Unigran