Reitora da UNIGRAN assina Carta-Documento do Congresso "Cidade Educadora".

Na solenidade de assinatura da Carta, profª. Rosa De Déa salientou que mais pessoas podem ter acesso à educação, pela ação conjunta das instituições.
A reitora Rosa Maria D’Amato De Déa, representando a UNIGRAN, assinou, nesta manhã, a Carta do 1º Congresso “Dourados - Cidade Educadora”, na Prefeitura de Dourados. O encontro encerrou o Congresso, que aconteceu entre os dias 11 e 15 de junho, e discutiu o papel das Universidades na construção da Cidade Educadora. O tema do evento foi “Desenvolvimento Regional Sustentável: a economia focada em direitos humanos e cidadania”. Segundo a professora Rosa De Déa, o congresso serviu para aliar a UNIGRAN à pessoas e instituições com a mesma missão. “Participar [do congresso] significa que mais universidades estarão com o mesmo olhar, com o mesmo trabalho, para que mais pessoas tenham condição, possibilidade, de ter mais conhecimento”, afirmou. Ela disse ainda que a UNIGRAN, como uma Instituição de educação, já tem a função de educar a cidade, e possibilitar o conhecimento. Os participantes do Congresso defendem, por meio da Carta, que todo espaço urbano seja transformado em espaço educativo, e que o desenvolvimento seja pautado na sustentabilidade, inclusão, cidadania, solidariedade e em mecanismos de gestão democrática e participativa; reconhecendo-se e valorizando-se a interculturalidade e plurinacionalidade, com o compromisso de colocar fim a todas as formas de discriminações étnico-raciais, religiosas, de gênero e de orientação sexual. A solenidade de assinatura da carta-documento foi presidida pelo coordenador do Comitê Local das Cidades Educadoras, Wilson Valentim Biasotto, e teve a presença de reitores, pró-reitores e diretores de todas as instituições de ensino superior de Dourados, além do prefeito José Laerte Cecílio Tetila. Veja abaixo o teor do documento (BD) CARTA DO 1º CONGRESSO DOURADOS CIDADE EDUCADORA Os participantes do 1° Congresso Dourados Cidade Educadora, que discutimos o papel das Universidades na construção da Cidade Educadora, tendo como tema “Desenvolvimento Regional Sustentável: a economia focada em direitos humanos e cidadania”, realizado no período de 11 a 15 de junho de 2007, no Teatro Municipal – Parque dos Ipês, cidade de Dourados, estado de Mato Grosso do Sul, reafirmamos o propósito da adesão de Dourados junto à Associação Internacional das Cidades Educadoras, defendendo a concepção de que todo espaço urbano seja transformado em espaço educativo e que o nosso desenvolvimento seja pautado em sustentabilidade, inclusão, cidadania, solidariedade e mecanismos de gestão democrática e participativa, reconhecendo e valorizando as interculturalidades e plurinacionalidades com o compromisso de colocar fim em todas as formas de discriminações étnico-raciais, religiosas, de gênero e de orientação sexual. Concordamos e propomos, no que diz respeito especificamente ao que foi debatido no referido Congresso, que: 1. Uma cidade educadora deve buscar a edificação de uma sociedade do conhecimento. Nesses termos, nos propomos a envidar esforços para promovermos educação de qualidade em todos os níveis; proporcionarmos formação continuada aos professores, seja por meio de programas de pós-graduação ou outras modalidades pertinentes; fortalecermos ou, quando necessário, reestruturarmos as propostas pedagógicas dos ID_CURSOs de licenciatura, visando uma formação sólida do professor; incrementarmos as parcerias entre as Instituições de Ensino Superior e outros segmentos da sociedade, priorizando os promotores da Educação Básica com ações voltadas para esse fim, a exemplo da erradicação do analfabetismo e da promoção da inclusão digital. 2. Uma cidade educadora deve buscar a sustentabilidade no processo de seu desenvolvimento. Para tanto, devemos aprofundar as discussões em torno do conceito de “solidariedade transgeracional”, construindo uma Ética por meio da qual todos os cidadãos saibam relacionar-se conscientemente com a natureza. A recuperação e aproveitamento das águas de superfície e a conseqüente garantia da preservação dos aqüíferos para o uso das gerações futuras; a redução drástica da emissão de CO2 para a atmosfera especialmente pela promoção da mudança da matriz energética, atualmente baseada em combustíveis fósseis para os biocombustíveis, são algumas das tarefas mediatas que se nos impõem. 3. Nesse sentido e considerando a peculiaridade do momento histórico que atravessamos, com o advento das usinas de cana-de-açúcar, firmamos posição de que o aproveitamento da cana deva ser feito dentro de técnicas modernas, portanto, defendemos que a Legislação Municipal contemple, em caráter urgente, a proibição de queimadas das palhadas de cana, o que trará por via de conseqüência a mecanização da colheita; estabeleça a obrigatoriedade das Usinas manterem viveiros de produção de mudas de espécies arbóreas nativas diversificadas e promoverem a recuperação de matas ciliares e reserva legal, de forma gradativa, nas áreas de cultivo de cana para fins sucro-alcooleiro; estabeleça ainda um percentual máximo de destinação das áreas agricultáveis do município com o cultivo de cana, possibilitando a diversificação de cultivos e de fontes de renda, além da produção de alimentos no município. Em termos práticos e paradigmáticos propomos: 3.1. Instituir fóruns permanentes que fortaleçam as relações institucionais na produção artístico-cultural e nas práticas educativas; 3.2 A composição de um grupo de trabalho aglutinador de pesquisadores para a elaboração e execução de projetos, de pesquisa e extensão universitária, voltados para o desenvolvimento regional sustentável. Nesses termos, intensificar os esforços para a constituição efetiva do Comitê de Gestão da Bacia do Rio Dourados se apresenta como um primeiro desafio. 4. A cidade educadora deve buscar o planejamento do seu futuro. Assim sendo desejamos firmar o nosso propósito de continuarmos contribuindo efetivamente para a edificação da nossa cidade educadora, disponibilizando nossas instituições para implementarmos projetos que atinjam os objetivos supra-mencionados. Dourados, 16 de junho de 2007 (Assinam o prefeito de Dourados, o coordenador do Comitê Local das Cidades Educadoras e reitores IES do município)

UNIGRAN - Centro Universitário da Grande Dourados
FONE: (67) 3411-4141 / Fax: (67) 3411-4167
Rua Balbina de Matos, 2121 - Jd. Universitário
CEP: 79.824-900 - Dourados/MS
Todos os Direitos Reservados

Baixe os apps Unigran