Atualizações de Notícias
14/05/2013
Serviço Social da UNIGRAN: 10 anos de existência

Há 10 anos foi iniciado na UNIGRAN o curso de Serviço Social, com o objetivo de formar assistentes sociais em uma visão generalista humanista crítica e reflexiva. As primeiras escolas de serviço social, no Brasil, têm início a partir da década de 1930. O curso na Instituição formou, até o ano passado, mais de 300 novos profissionais.

Luciana Henrichsen Schmitt ministra aulas há sete anos no curso, desde a primeira turma. Na época precisava de alguém que tinha uma relação com a teoria e bastante com a prática, “eu era gestora recentemente na Secretaria de Extensão Social de Maracaju, então tinha bastante embasamento prático como também teórico”, comenta.
Segundo a professora, foram vários processos nestes sete anos, “foi uma evolução o curso, foi melhorando, melhoramos a grade, novas atividades. Então, gradativamente, tiveram novas expectativas e novas situações do próprio curso e inovações até mesmo da profissão”.

O campo de trabalho também melhorou, acredita Luciana. “A grande Dourados proporcionou a entrada deste profissional com o curso aqui [na UNIGRAN], que até então os profissionais que vinham eram de fora, eu inclusive sou formada em Londrina. Com essa possibilidade melhorou bastante, era só em Campo Grande que nós tínhamos o curso de Serviço Social há 10 anos atrás”, explica.

A professora conta que com o surgimento do curso em Dourados, proporcionou aos municípios do interior a possibilidade de emprego e também de profissionalizar, de melhorar o atendimento. “Profissionalizou as prefeituras, principalmente, que é o nosso maior órgão contratador, pois teve a possibilidade de ter esse profissional reconhecido e que sai daquela ajuda assistencialista para vir para um trabalho profissional, para o trabalho do serviço social, no qual visa o direito ao cidadão, viabilizando estes direitos e não simplesmente uma simples troca, uma ajuda sem perspectiva futura para o cidadão”, afirma.

Da faculdade para o mercado de trabalho

Virgínia Bosqueti Lopes Guimarães formou-se na UNIGRAN em 2010 e conta que teve dificuldades e conflitos durante a jornada acadêmica. “Isto é natural quando se pretende conquistar algo, pois é necessário sair da rotina em que se encontra, ter novas prioridades, ‘abrir mão’ de momentos importantes como estar com a família, amigos, lazer, descanso, enfim, é superar-se. Para tanto, deve-se colocar em mente que esta situação é passageira e o fundamental nesta trajetória é o apoio da família e não perder o foco”, garante.

Durante a faculdade, a ex-aluna conta que além de amadurecer e construir novos relacionamentos por meio de experiências compartilhadas, ela teve a oportunidade de realizar o sonho do curso superior, tendo contato com o ensino, a pesquisa e projetos de extensão. “Tudo enriqueceu o meu conhecimento, me fez adquirir uma nova visão de mundo. A realização do estágio no Núcleo de Atendimento Social à Comunidade [Nasc] foi importante, pois é um espaço de atendimento a públicos com questões variadas, oportunizando assim, o conhecimento de várias políticas: da mulher, do idoso, da criança e do adolescente, habitacional, dentre outras”, lembra.

Um ano depois de graduar-se Virgínia passou no concurso da Câmara Municipal de Dourados, ela é a 1ª assistente social do órgão legislativo. “O fato de ser a 1ª assistente social da instituição me remete a palavra ‘desafio’, o desafio de ter uma visão capaz de decifrar a realidade de forma a não enxergar somente os obstáculos, mas, sobretudo, as possibilidades de uma ação criativa e propositiva baseada na defesa intransigente dos direitos humanos, como dispõe nosso código de ética profissional”, reconhece.

Hoje, a assistente social assegura que está realizada com a profissão. “A UNIGRAN faz parte desta conquista, afinal, durante quatro anos o curso de Serviço Social, através da equipe de mestres, fizeram parte da minha vida, que por meio do ensino e do relato de suas experiências vividas, contribuíram grandemente para minha formação profissional”, finaliza.