ISSN 2316-3992
VOLUME: 4
NÚMERO: 11
EDIÇÃO ESPECIAL
TÍTULO:
DISPUTA ELEITORAL DE 2014: DA TELA DA TELEVISÃO PARA AS REDES SOCIAIS
AUTOR (ES):
Luiz Ademir de Oliveira1 Paulo Eduardo Assis Maia2 Gustavo Fernandes Paravizo Mira3
Resumo: O artigo discute as mudanças ocorridas no modelo de propaganda política na disputa eleitoral de 2014, tendo em vista que o Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE) no rádio e na televisão manteve a sua importância, mas num cenário marcado pela narrativa transmidiática, já que a internet passou a ter um papel importante. Do ponto de vista da análise das estratégias midiáticas, pode-se afirmar que houve mudanças nos formatos de propaganda utilizados, e a campanha ficou bem mais fragmentada e dispersa. Em termos de disputa política, pode-se verificar que poucas mudanças foram notadas. A novidade foi uma disputa presidencial bem mais acirrada, já que há seis pleitos (1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014) a polarização se dá entre PSDB e PT. A eleição de 2014 tornou-se imprevisível em função da morte trágica de Eduardo Campos, ex-governador de Pernambuco e então candidato pelo PSB à sucessão, ocorrida em 13 de agosto de 2014, e da entrada em cena da ex-senadora Marina Silva, que passou de vice à candidata socialista. No entanto, no que diz respeito às disputas para os governos estaduais e composição do Congresso e das assembleias legislativas, o resultado eleitoral ratificou um perfil conservador, vinculado à política tradicional, mantendo o poder das oligarquias políticas e midiáticas, hegemonia que se estende há décadas.

Palavras- chave: Propaganda Política; Democracia; Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE); Eleição 2014.

UNIGRAN - Centro Universitário da Grande Dourados
Faculdade de Ciências Administrativas e Contábeis
Dourados - Mato Grosso do Sul - BRASIL
Todos os direitos reservados a UNIGRAN | 2014