Revista Multidisciplinar da Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Unigran | ISSN-1981-3775

Os artigos deverão ser enviados, exclusivamente, por email: interbio@unigran.br

CONSUMO DE OXIGÊNIO, ESTRESSE OXIDATIVO E ATIVIDADE DE ENZIMAS ANTIOXIDANTES COMO FERRAMENTAS PARA O ESTUDO DO MECANISMO DE INJÚRIA OXIDATIVA PRÉ-HEMOLÍTICA.

OXYGEN CONSUMPTION, OXIDATIVE STRESS AND ANTIOXIDANT ENZYMES ACTIVITIES AS A TOOL FOR PREHEMOLYTIC OXIDATIVE INJURY MECHANISM STUDY.

Autores:
SIMÃO, Andréa Name Colado ; SUZUKAWA, Andréia Akemi, LOZOVOY, Marcell Alysson Batisti, CECCHINI, Rubens

Baixe o Artigo aqui (pdf)


Resumo:

O estresse oxidativo é uma importante causa de indução de doenças, tais como a anemia hemolítica. Os azocompostos têm sido usados para estudar o mecanismo de estresse oxidativo em eritrócitos. O AAPH (2,2`-azobis amidinopropano) produz radicais livres do tipo peroxil por decomposição térmica unimolecular em uma taxa constante. Estes radicais alteram a estrutura e função dos eritrócitos incluindo as proteínas e lipídeos de membrana e o estado de oxidação da hemoglobina. Neste estudo, eritrócitos humanos foram incubados com AAPH numa faixa de concentração entre 0 a 15mM e incubado por até 6 horas. A hemólise foi avaliada à 540 nm e  hemoglobina e hemicromos foram determinados por análise espectral usando a equação de Winterborn. O consumo de oxigênio foi estimado por eletrodo de Clark. A lipoperoxidação foi determinada pela reação de TBARS. A hemólise mostrou uma curva sigmóide em função do tempo de incubação e a extensão da hemólise foi proporcional a concentração à concentração de AAPH. Os níveis MDA aumentaram em função do tempo de incubação. A oxihemoglobina foi oxidada a metahemoglobina e hemicromo tanto no compartimento intracelular como extracelular. O tempo de indução (Tind) determinado pelo consumo de oxigênio pelo eritrócito foi significativamente reduzido após incubação com AAPH e foi concentração dependente. A atividade da superóxido dismutase aumentou após 4 horas de incubação. De acordo com estes resultados, nós devemos considerar que ambos, a injúria da membrana celular pela ação direta do azocompostos e a oxidação intracelular como parte do mecanismo de lesão pré-hemolítica.

 

Palavras-chave: AAPH, estresse oxidativo, eritrócitos, hemólise, MDA


Abstract:

Oxidative stress could be an important causative factor inducing a number of human diseases, such hemolytic anemia. Azo compounds have been used to study the mechanism of oxidative stress in erythrocytes. AAPH (2,2’ –azobis amidinopropane) produce peroxyl radicals for unimolecular thermal decomposition at constant rate. These radicals alter the erythrocytes structure and function including membrane protein and lipid and state of hemoglobin oxidation. In this study, human erythrocytes were incubated with AAPH at concentration ranging from 0 to 15 mM and incubated from 0 to 6 h. The hemolysis was evaluated at 540 nm and methemoglobin and hemichrome were measured from differential spectral analysis using Winterbourne equation. Oxygen consumption was estimated for Clark electrode in thermostatic holder. The lipid peroxidation was measured from TBA reaction.  The hemolysis showed a sigmoid curve as a function of incubation time and the extent of hemolysis was proportional to the AAPH concentration. The MDA levels increased as a function of the incubation time. The oxyhemoglobin was oxidized to methemoglobin and hemichrome both in intracellular and extracelular compartiments. The induction time (t-ind) measured for erythrocyte O2 consumption was significantly reduced after incubation with AAPH and was concentration dependent. The SOD activity was increased after 4 h of incubation. About theses results, we should consider both membrane injury for direct action of azo compound and intracellular oxidation as a part of prehemolitica damage mechanism.

 

Key-words: AAPH, oxidative stress, erytrocytes, hemolysis, MDA